Como calcular a desvalorização do dinheiro e manter seu poder de compra?

Entender como calcular a desvalorização do dinheiro pode ser o primeiro passo para escolher produtos financeiros com mais estratégia. Veja como!

Quem acompanha a economia em geral já ouviu falar em inflação, ou pelo menos já sentiu os seus efeitos. De fato, a inflação é a queda da nossa moeda, porém saber como calcular a desvalorização do dinheiro pode ajudar a equilibrar nossas finanças.

Nos dias de hoje, não se pode negar a volatilidade dos preços. “Mascarar” a realidade só irá aumentar os impactos da perda do poder de compra do Real.

Digamos que um dia o quilo do arroz esteja R$5, e no outro, o dobro. Isso significa que algo está errado.

Ou melhor: você define uma lista de compras no mercado cogitando um limite de gastos, mas ao chegar no caixa percebe que suas finanças não irão suprir a alta dos preços. Nesse caso, você terá certeza de que seu dinheiro desvalorizou.

Para te ajudar a entender melhor sobre o quanto a elevação dos preços dos produtos mexe no seu bolso e como você pode se prevenir do prejuízo, vamos explicar como calcular a desvalorização do dinheiro. Acompanhe a gente!

O que é inflação?

A inflação é um termo da economia que representa o aumento dos preços de bens e serviços, interferindo no poder de compra do consumidor.

Ela é medida pelo IPCA (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), indicador que controla as metas para a inflação e prevê a mudança dos hábitos de famílias brasileiras com remuneração entre um e 40 salários mínimos.

A inflação se reflete em diversos ramos da economia, como:

  • alimentação;
  • roupas;
  • comunicação;
  • saúde e cuidados pessoais;
  • despesas pessoais;
  • despesas educacionais;
  • transporte;
  • entre outros.

Em outras palavras, isso significa que a inflação impacta esses setores, desvalorizando o nosso dinheiro e gerando a perda do poder de compra.

< Dê o play no vídeo abaixo e entenda como economizar dinheiro em gastos cotidianos e começar a investir! />

Quais são os efeitos da desvalorização da moeda?

A desvalorização da moeda, ou inflação, é um efeito de ação e reação. Ou seja, quando os preços aumentam, o mercado tenta cobrir os custos desse “inchamento” econômico, o que, consequentemente, leva a diversos problemas na sociedade, como:

  • indecisões no setor econômico;
  • desmotivação de investimentos;
  • perda do poder de compra de famílias com menos recursos;
  • paralisação de futuros projetos. 

O que é taxa de desvalorização da moeda? 

A taxa de desvalorização das moedas representa o índice de redução em seu valor. A consequência, já mencionada anteriormente, é a perda do poder de compra quando comparada a outras moedas e em relação ao seu próprio mercado. 

Para você ter uma ideia, o real vinha perdendo valor de forma progressiva em 2021. Em setembro, por exemplo, nossa moeda fechou o terceiro trimestre com desvalorização de aproximadamente 31% em relação aos seus fundamentos, segundo a FGV.

Em 2022, no entanto, o desempenho do Real em relação ao dólar foi positivo. Um levantamento feito pela Austin Rating e divulgado pela CNN Brasil mostrou que  a moeda brasileira subiu 10,1% em comparação com a divisa dos Estados Unidos. 

Como a desvalorização da moeda impacta seu poder de compra?

Na prática, o impacto da desvalorização da moeda no poder de compra é visto de forma cotidiana. 

O número de produtos adquiridos no supermercado com uma nota de R$ 100, por exemplo, é menor depois da desvalorização da moeda. Da mesma forma, sentimos o impacto no valor pago por um mesmo produto (como vimos acontecer recentemente com itens da cesta básica, como óleo e leite) em períodos diferentes.

Em um cenário de alta da inflação e desvalorização da moeda, é comum que o aumento apareça antes nos produtos importados. 

Porém, em seguida, aqueles que são exportados (como a soja) e comercializados em dólar também sofrem ajustes. Isso porque a tendência é que a elevação do preço do produto no mercado externo empurre o valor interno para cima, evitando prejuízos para os comerciantes locais. 

A consequência dessa ação em cadeia é a queda do poder de compra da população, ou seja, a redução no número de produtos adquiridos com um mesmo valor em comparação a períodos anteriores. 

< Antes de seguir em frente, leia mais sobre o funcionamento da inflação na economia. />

Como calcular a desvalorização do dinheiro?

Para te ajudar a entender como calcular a desvalorização do dinheiro, vamos exemplificar.

Digamos que um trabalhador CELETISTA receba R$800 mensais para fazer as compras no mercado. Com este salário, ele percebe que pode comprar 100 quilos de feijão, considerando que cada pacote custa R$8.

No entanto, ele descobre que haverá o reajuste no valor dos alimentos, sendo que o feijão aumentará seu valor em 10%. Logo, o produto passará a custar R$8,80.

Com o valor reajustado, ao invés de comprar 100 pacotes, ele poderá comprar 90,9. Isto é, o dinheiro dele desvalorizou 9,1% em relação ao feijão.

Ficou em dúvida? Para entender de forma simplificada, confira o seguinte passo a passo:

  1. Quantia de dinheiro disponível: R$1000;
  2. Custo do produto: R$8;
  3. Reajuste da inflação: +10%, o que leva ao novo valor do produto: R$8,8 (8 + 10%);
  4. Considerando a quantidade de dinheiro para gastar com o novo valor do produto, em vez do funcionário comprar 100 pacotes como originalmente, agora ele tem poder de compra de 90,9 pacotes. Ou seja: (800 / 8,8 = 90,9);
  5. Para saber como calcular a desvalorização do dinheiro, diminui-se o poder de compra anterior pelo atual (100-90,9 = 9,1%).

Como se proteger da desvalorização do dinheiro?

Quem viveu períodos intensos de inflação sabe como pode prejudicar o poder de compra da moeda. A boa notícia é que existem maneiras de atenuar o problema, e quando falamos nisso, tratamos de investimentos. 

Agora que você já sabe como calcular a desvalorização do Real, é hora de entender como proteger a moeda.

O primeiro passo para se proteger da desvalorização do dinheiro é desenvolver um bom planejamento financeiro. Conhecer o seu perfil de investidor, identificar suas necessidades e expectativas e, a partir daí, direcionar seus investimentos para produtos compatíveis é a melhor forma de construir um plano de investimento sólido e coerente. 

Além disso, outra dica para construir uma carteira menos volátil diante de oscilações da moeda é a diversificação de produtos. Um portfólio consistente conta com opções pré-fixadas e indexadas por taxas estratégicas, que garantem rendimentos superiores aos da inflação. 

Veja algumas sugestões que preparamos a seguir!

Títulos públicos

O Tesouro Direto IPCA+ é um tipo de investimento de renda fixa com possibilidade de ganho real que paga uma taxa de juros pré-definida, junto à variação do IPCA no ano.

Desse modo, o rendimento ao final do ano será sempre maior do que a inflação, mas saiba que o rendimento só aparece no vencimento do contrato. Caso o investidor deseje o dinheiro antecipadamente, ele poderá retirá-lo, considerando que o rendimento pode ou não ser elevado.

Imóveis

Receber aluguel é uma boa saída porque é geralmente corrigido pelo IGPM (Índice Geral de Preços-Mercado), índice de inflação superior ao IPCA, o que pode render bons frutos.

Mas quando se trata de imóveis, existem duas considerações interessantes:

  1. Para conquistar um rendimento elevado com o aluguel de imóveis, seria interessante o proprietário ter três ou mais inquilinos, e não depender apenas de um, como acontece com a maioria dos investidores.
  2. No momento em que o imóvel ficar vago, o proprietário terá despesas extras até que se chegue um novo locatário..

Renda variável

As aplicações de renda variável se tornaram uma ótima sugestão, principalmente para investidores arrojados devido às oscilações do mercado. Mas, para isso, é necessário ter uma estratégia definida, com foco nas ações ou fundos de investimentos, sem agir por impulso diante da possibilidade de queda.

< Antes de seguir em frente, dê o play no vídeo abaixo para saber mais sobre renda variável! />

Entendeu como calcular a desvalorização do dinheiro? É hora de ir além! 

Saber como calcular a desvalorização do dinheiro lhe deu uma base de como equilibrar suas finanças de acordo com o aumento ou a baixa dos produtos ou serviços.

Dominar as oscilações do mercado e prever a valorização e desvalorização da moeda ajuda a evitar perdas repentinas e a escolher, de maneira estratégica, os investimentos.

Mas, é importante conhecer mais sobre o mundo dos investimentos para encontrar produtos que se adequem ao seu perfil de investidor, bem como às suas ambições e necessidades.

Nossa dica é a Multi+, plataforma de ensino da XP Educação.  Um ecossistema digital de aprendizado contínuo para capacitar profissionais que querem se destacar na nova economia: disruptiva, inovadora, flexível. 

Na Multi+ , você encontra formações, cursos, bootcamps e aprendizado em diferentes formatos. É uma oportunidade imperdível para aprender mais sobre o mundo dos investimentos e se destacar. 

Quer conhecer? Preencha o formulário e teste a plataforma gratuitamente por 15 dias!

Continue Aprendendo

spot_img