Entenda o que é investimento em renda variável e conheça as melhores opções no mercado

Palhaços, baratas, investimentos em renda variável. Cada pessoa possui um medo diferente, seja ele racional ou não. Mas provavelmente haverá algum momento na vida em que será necessário enfrentá-lo – e dependendo do medo, é possível se preparar para isso.

Se você não se sente confortável em investir em renda variável, saiba que o conhecimento é necessário para virar essa chavinha. E esse processo começa aqui, lendo este texto, onde você entenderá o que é investimento renda variável e conhecerá os principais tipos disponíveis no mercado. Boa leitura!

O que é investimento em renda variável?

Como o próprio nome sugere, um investimento de renda variável é o que oferece um retorno imprevisível, já que sua rentabilidade não está atrelada a nenhum indicador oficial. Enquanto na maioria das opções de renda fixa é possível calcular o lucro no momento da aplicação, na variável o valor dependerá das condições do mercado.

Um exemplo são as ações da bolsa de valores, que podem variar de acordo com as medidas tomadas pela empresa ao longo do período em que ela está na sua carteira de investimentos.

Outros fatores que podem gerar volatilidade e oscilações nos investimentos de renda variável são o cenário econômico e político local e externo, além do setor de atuação das corporações.

Durante o ano de 2020, muito se falou sobre as quedas e altas de investimentos em renda variável por causa da flutuação do mercado diante a pandemia da Covid-19. Vale lembrar que o Ibovespa, principal índice da B3, começou março de 2020 com 106 mil pontos e fechou na faixa de 70 mil pontos. Isso fez com que algumas ações despencassem, como:

  • IRBR3 (IRB) – Queda de 76,88%
  • COGN3 (Cogna) – Queda de 59,49%
  • EMBR3 (Embraer) – Queda de 55,14%
  • CIEL3 (Cielo) – Queda de 52,02%
  • CVCB3 (CVC) – Queda de 50,02%

Já algumas empresas registraram altas incríveis durante 2020, como:

  • CSNA3 (CSN) – Aumento de 126,02%
  • WEGE3 (Weg) – Aumento de 120,40%
  • MGLU3 (Magazine Luiza) – Aumento de 109,84%
  • PRIO3 (PetroRio) – Aumento de 112,31%
  • BRAP4 (Bradespar) – Aumento de 73,55%

Ou seja, existiram casos em que as pessoas perderam mais da metade do que investiram e outros em que as pessoas mais que dobraram seus investimentos. É claro que esses são episódios excepcionais, mas eles mostram com clareza que a renda variável oferece riscos, mas também pode garantir lucros impressionantes.

Por ser um dos investimentos mais cobiçados do mercado, as ações constantemente geram dúvidas e, consequentemente, perguntas. Por isso, nossa especialista em investimentos e professora, Clara Sodré, produziu um vídeo com tudo o que você quer saber sobre investir em ações. Confira:

Entenda na prática: diferença entre investimentos de renda variável e renda fixa

Uma dúvida comum entre os investidores iniciantes é a diferença prática entre a renda fixa e variável, que vamos abordar brevemente. 

O principal ponto é a previsibilidade dos investimentos. Enquanto a renda fixa lhe oferece uma melhor visão da sua rentabilidade por estar atrelada a indicadores oficiais como a Selic e IPCA, a renda variável pode ser mais volátil por depender de outros fatores.

Também é importante lembrar que grande parte dos investimentos de renda fixa é coberto pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), cuja função é proteger investidores prejudicados por instituições financeiras que tiveram problemas. 

Cada CPF ganha uma “garantia” de receber de volta até R$ 250.000 por instituição, com o limite máximo de R$ 1 milhão a cada 4 anos. Isso também vale para os juros rendidos pelo investimento, desde que esteja dentro do teto do Fundo.

Dentre os investimentos que possuem essa cobertura do FGC, vale citar:

  • CDBs (Certificado de Depósito Bancário): título público em que o investidor empresta seu capital ao banco e recebe juros por isso. De acordo com o contrato, aceito no momento da aplicação, é definido o vencimento do empréstimo, sua liquidez e a taxa que será paga ao investidor;
  • RDBs (Recibo de Depósitos Bancários): título semelhante ao CDB, com a diferença de que também pode ser emitido por sociedades de crédito e financiamento e por cooperativas, e não apenas por bancos;
  • LCI e LCA (Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio): títulos lastreados em carteiras de empréstimos relacionados ao seus respectivos setores;
  • LC (Letras de Câmbio): nessa opção de renda fixa, o dinheiro é emprestado a instituições financeiras de modo geral, em troca do recebimento de juros. 

Mas não se engane em pensar que a renda fixa é a única protegida. Grande parte dos tipos de investimentos de renda variável está sob o olhar da Comissão de Valores Mobiliários. Essa autarquia, vinculada ao Ministério da Fazenda, tem como responsabilidade fiscalizar e punir empresas que agem de má-fé com os investidores.

Dentre os tipos de investimento de renda variável vale citar:

  • mercado de opções: local em que se negocia o direito de comprar ou vender um determinado ativo por um preço fixado, em uma data futura específica. 
  • mercado futuro de ações: acordo de negociação de determinado ativo em que se fixa um valor no presente para liquidá-lo no futuro.
  • câmbio: aplicações baseadas em moedas, como dólar e euro. 

Quer se aprofundar no assunto? No nosso e-book gratuito “Guia da Bolsa para Investidores”, listamos os principais conceitos que você precisa saber para investir na Bolsa. E o melhor: com ele, você terá um guia ideal para consultar sempre que quiser realizar seus investimentos com propriedade.

Imagem da campanha de um livro digital gratuito com o tema "Guia da bolsa para Investidores" da Xpeed School.

Quais os melhores investimentos de renda variável?

E aí, entendeu o que é um investimento de renda variável? Viu só como ele está protegido, apesar de ser volátil? Então chegou o momento de conhecer alguns dos títulos que se destacam dentro dessa categoria. Dentre os melhores investimentos de renda variável, vale citar:

Ações

Vamos começar com esse investimento de renda variável que já abordamos acima. Ao comprar uma ação, você se torna um sócio dessa corporação e pode lucrar de duas maneiras:

  • Distribuição de dividendos: o lucro da empresa é dividido pelos acionistas;
  • Valorização do papel: dependendo das decisões corporativas e seus resultados, os papéis da companhia podem sofrer aumento ou queda de valor.

>>> Leia também: Ações que mais pagam dividendos: lista completa 2021!

Fundos de Investimento

Os fundos de investimento ganham cada vez mais popularidade entre os investidores graças às suas diferentes classificações. Atualmente, é possível encontrar nas principais corretoras do País opções como:

  • fundo de Curto Prazo;
  • fundo de Renda Fixa;
  • fundo de Ações;
  • fundo Cambial;
  • fundo Multimercado.

Uma maneira simples de entender o que são os Fundos de Investimento é imaginá-lo como um prédio. Nele, as pessoas podem comprar apartamentos e pagam o condomínio para que o síndico possa administrá-lo da melhor maneira possível.

Já em um fundo, você comprará cotas desse investimento, gerido por um profissional que decidirá quais papéis comprar ou vender com a cobrança de uma taxa de administração. 

Vale lembrar que existem fundos que também cobram uma taxa de performance, uma “gorjeta” caso o fundo tenha um resultado melhor que o esperado. Por isso, não deixe de analisar se essa taxa extra é algo que está dentro ou fora do seu apetite de riscos.

Fundos Imobiliários (FIIs)

Se em um fundo de investimentos estão reunidas pessoas interessadas em aplicar seu dinheiro em títulos específicos, o interesse do grupo no FII é o mercado imobiliário. Nesse tipo de Fundo, o dinheiro aportado é destinado para:

  • imóveis de diferentes segmentos, como shoppings, prédios comerciais e residenciais;
  • cotas de outros FIIs, aumentando o número de segmentos investidos em um Fundo;
  • títulos de renda fixa, como papéis com lastro em imóveis.

Ou seja, ao adquirir uma cota desse FII, você se torna investidor desse ativo e ganha acesso a rendimentos e dividendos periódicos. E por ser gerido por um especialista, ele possui uma taxa de administração e também pode ter uma taxa de performance.

Exchange Traded Funds (ETFs)

Apesar de esse ser um dos melhores investimentos de renda variável, os ETFs podem ser um pouco confusos. Em resumo, ele é um fundo de ações cujas cotas, negociadas na Bolsa de Valores, tem como referência índices como o Bovespa. Ou seja, ele é uma cesta imaginária que reúne ações de grandes empresas. 

Esse investimento é gerido por um profissional especializado que realiza vendas e compras diárias para obter os melhores rendimentos aos seus cotistas. O objetivo desse gestor é atingir lucros iguais ou superiores ao indicador escolhido.

Os ETFs são uma ótima alternativa para os iniciantes da Bolsa, já que sua gestão é feita por um profissional. Entretanto, assim como nos outros exemplos, ele possui uma taxa de administração e uma taxa de corretagem.

No vídeo abaixo, a Clara Sodré, especialista em investimentos na XP Inc, explica se vale a pena investir em ETFs, confira:

Entendeu o que é investimento de renda variável?

Pronto, agora você sabe o que é um investimento de renda variável e quais são os principais tipos para começar a investir. É mais fácil do que parece, não é mesmo? Isso porque você adquiriu conhecimento, que lhe ajudou a enfrentar seus medos.

E para continuar aprendendo, que tal conferir nosso curso “Aprenda a investir na bolsa de valores”? Nesse conteúdo de Leandro Rassier, educador financeiro na XP há mais de 20 anos, você terá um aprendizado prático com diferentes recursos de engajamento para garantir o melhor proveito e compreensão sobre o que é investimento de renda variável.

Confira nosso curso e continue a aprender com a Xpeed:

Imagem da campanha de um curso online sobre "Começar a Investir na Bolsa de Valores" da Xpeed School.

spot_img

Continue Aprendendo

spot_img